Síndrome da bruxa velha VS Alucinações hipnopômpicas

Síndrome da Velha Bruxa original do inglês como “Syndrome Of Old Hag”

Aliens, bruxas, duendes, ou o próprio Diabo? O que significa quando estamos paralisados temporariamente enquanto adormecemos e não conseguimos acordar?

Segundo a lenda, há uma série de entidades malévolas que podem ser responsáveis pela Sindrome da Velha Bruxa. Em alguns casos, esta condição tratada como trabalho externo ou do Diabo. Outras culturas falam da Velha Bruxa como sendo uma mulher deformada com aparência de idosa que espreita para sentar-se no peito de uma pessoa que está dormindo.

A paralisia do sono ocorre quando alguém que quer adormecer ou despertar de um estado de sono percebe que é incapaz de mover seus membros ou de falar. Eles são capazes de abrir os olhos. Este é estado crepuscular .

Em alguns casos, a pessoa, ao reconhecer que ele ou ela está paralisada, torna-se totalmente desperto e recupera o uso de seus braços e pernas. Toda a experiência pode durar de alguns segundos até um minuto.

Em outros casos, no entanto, a experiência é muito mais assustadora. A pessoa pode tornar-se consciente de outra presença na sala, quer através da visão, som ou um sexto sentido. A pessoa paralisada também pode relatar um sentimento de esmagamento ou sensação de sufocamento, além de um medo terrível capaz de provocar vômitos e convulções.

Pode-se argumentar que estamos em nossa posição mais vulneráveis quando estamos dormindo. É surpreendente que as histórias de diabos, bruxas, duendes,  que nos atacam em nosso sono existem em todo o mundo. O motivo do malfeitor pode variar de posse em linha reta a maldade ou vingança. As pessoas no Japão falam de kanashibara, que significa “amarrar com uma corda de ferro”. Aqueles que fazem a sua casa no Ártico estão familiarizados com Inupik ou Yupik, este é um conceito pelo qual uma alma tenta entrar no corpo do paralítico (e impotente) da vítima.

Alucinações hipnopômpicas: tipo especial de alucinações visuais que ocorrem ao acordar. Geralmente não têm significado patológico.

Exemplo de alucinação hipnopômpica:
“Sentia meu corpo totalmente imobilizado e ao mesmo tempo conseguindo visualizar o que estava em volta… minhas cobertas, o armário, as cortinas, mas eu continuava ali, preso no meu corpo! De repente as cobertas começaram a se mexer e se levantar sozinhas!… Era uma coisa assombrosa ver aquilo. Cada vez mais alto, as cobertas começaram a se erguer, como se um fantasma estivesse ali me aterrorizando. Minha desesperada conclusão foi: paralisia do sono e alucinação. Fui inundado com uma sensação incrível de poder e larguei uma terrível gargalhada histérica(na alucinação pois ainda estava paralisado) que fez as cobertas despencarem, para mergulhar nos sonhos novamente.”

O que achou da postagem?
+1
0
+1
0
+1
0

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *