Runa quer dizer: segredo.

As runas são pequenas pedras que tem gravadas sobre a sua superfície desenhos que representam as letras de um antigo alfabeto germânico.Através delas, os antigos faziam previsões, falavam com os deuses e sondavam as profundezas da alma humana.

[box type=”info” ]Segundo a mitologia nórdica, foi um presente que o deus Odin recebeu por seu sacrifício de 9 dias e 9 noites, pendurado na Yggdrasil, a árvore da vida. Lá passou fome, sede e sofreu com as intempéries. Nesta ocasião, em meio aos transtornos, Odin vislumbrou as Runas e então pode penetrar no mistério da sua sabedoria.[/box]

Foi no primeiro século de nossa era que se espalhou por toda Europa a arte da leitura das Runas. No entanto, com expansão do Cristianismo e a enorme e violenta perseguição que infringiu aos pagãos (todo aquele que não era cristão), ela ficou esquecida, apesar de, na Islândia, ter sido mantida a sua prática.

Recentemente, Ralph Blum, antropólogo e escritor, redescobriu seu uso e o transformou num belíssimo e bem elaborado trabalho. Fez a interpretação das características de cada um dos simbolismos das letras rúnicas, enumerando-as e colocando-as em uma ordem harmônica e de fácil compreensão . Esse trabalho foi reunido em: O Livro das Runas.

As runas derivam de um antigo alfabeto germânico, usado pelos Vikings. Inicialmente o alfabeto rúnico era composto de 24 letras. Era chamado “Futhark”. É dividido em 3 grupos de 8 letras, denominados “aett”, o que significa “em números de 8”. Às 24 Runas iniciais foi acrescida mais uma Runa branca. É a chamada Runa de Odin. Sem inscrição, representando aquilo que não pode ser evitado: a predestínação.

As escritas rúnicas mais antigas foram descobertas na Dinamarca e provavelmente, datam de meados dos séculos III e IV.

Objetos arcaicos, encontrados no litoral do Mar Negro e ao longo do Danúbio, levam à conclusão de que as Runas vieram à Escandinávia procedentes da Europa Central. Foram provavelmente levadas por emigrantes godos para outros povos dominados pelos germânicos. Uma das mais notáveis incrições rúnicas é o Corno Dourado de Gallehus, descoberto em Schleswig.

A runas chegaram à Alemanha e Inglaterra no século V. Foram descobertas inscrições na região do Reno – em Hessen, Nassau, Wuerttenherg, Áustria, Baviera e na região de Saona e no Loire na França.

Chegou até os nossos dias o conhecimento de seu uso como oráculo. A palavra Runa quer dizer Segredo e é um desafio penetrar nestas lembranças, redescobrindo-as e transformando-as em um instrumento hábil de acesso ao inconsciente para manejamento pessoal em busca do auto crescimento e da auto modificação.

Antigos escritos relatam o uso das Runas, gravadas em pequeninas pedras dos leitos dos rios ou gravetos de galhos de árvores, como Jogo Divinatório.

Alguns escritores nos dão o relato de que havia entre os Vikings homens e, princípalmente, mulheres que eram Mestres na arte de jogar Runas. Destacavam-se dos demais por suas vestes exuberantes, mantos ornados de pedras na bainha, capuz de peles na cabeça; levavam ainda na mão um bastão e, presa ao cinto, uma bolsa contendo as pedras rúnicas.

Por ser de origem ocidental, o jogo de Runas é um oráculo que tem para nós uma aproximação maior, uma linguagem que fala mais de perto ao nosso coração.