Tudo novo e os velhos problemas permanecem para os ocultistas que praticam seus experimentos… Não é de hoje que sabemos que essa categoria de estudioso é o que mais se ferra, normalmente atraindo entidades negativas ou alterando seu fluxo energético de forma indesejada, afinal, merda acontece.

Temos centenas de rituais espalhados pelos grimórios já postados aqui, então não vejo muita utilidade em simplesmente respostar a velha receita de bolo, qualquer um pode encontrar eles digitando no Google, então o intuito aqui é fazer com que eles funcionem.

Mas Gigim, não é só fazer o que tá lá que eles funcionam?

Infelizmente não rola bem assim, seguir a clássica receita de bolo não funciona no âmbito ocultista, muitos elementos do ritual tem que ser levados em consideração para condizer com a realidade do ocultista que o pratica.

Diferença entre ritual e prática.

Percebam que existem certas práticas que sempre vão funcionar pois são simplesmente resultados naturais de alguma coisa, posso citar como exemplo o banho de sal grosso que SEMPRE vai levar embora a energia residual do corpo do ocultista, mesmo que ele não tenha nenhuma doutrina específica ou até mesmo que nem seja ocultista, o sal sempre vai funcionar, então percebam que o que vou citar aqui se enquadra em rituais, ou seja, práticas complexas e metódicas vindas de determinados cultos e religiões.

Rituais, do que são feitos?

Rituais normalmente são originários de algum culto ou religião, e obviamente quem os criou seguia a doutrina da mesma, e esse tipo de “fé” é essencial para o funcionamento do ritual. Não adianta nada você desenhar um belo círculo de proteção e escrever os nomes dos arcanjos quando na verdade você é satanista!! Na verdade a chance de você irritar algo mais é bem válida.

Vocês vão perceber que dezenas de círculos de proteção citam os nomes de Deus, várias e várias vezes. Até ai tudo bem, eles enxergam Deus como o criador de tudo… mas você enxerga? Você pode escrever 300 nomes de Deus lá, mas se você não o vê como Deus mesmo pode ter certeza que a sua ligação vai cair na casa errada.

Mas não deveria, então, evocar o MEU Deus?

Na alegrolândia sim, mas na vida real não é bem assim que funciona. O Deus de cada um é algo bem pessoal e levando isso em conta acredito que não saber sequer escrever o nome dele não gera muita credibilidade… Imagina alguém que diz que te ama incondicionalmente mas sempre erra o seu nome quando te chama… Qual seria a sua reação?

Incongruência de intenção

Muitas pessoas pedem a proteção de elementares, anjos, demônios, exus, pombajiras e o que mais ele conhece, lembro que uma vez li uma oração que o cara pedia ajuda de Odin até maria mulambo… Isso é válido? Claro que não, você não pode simplesmente jogar o seu pedido pra cima e quem pegar ta valendo, pedido de proteção é algo muito sério e você normalmente conta com ele pra não ter o seu cu arregaçado, simplesmente citar o nome de 62768762 entidades diferentes não vai ajudar em nada e sim atrapalhar.

Outra coisa que percebo bastante é o ocultista já ter certa prática na evocação de determinadas entidades e conforme vai dominando sua relação com elas ir agregando em seu círculo de proteção. à primeira vista pode parecer algo sensato, afinal se uma já protegia imagina 2, e vc conhece bem as 2…. ERRADO. Entidades tem nuances muito mais complexas que pessoas, não se sabe ao certo quem gosta de quem e nem mesmo se ela toparia trabalhar com outra entidade, ou seja a chance de erro é bem maior que de sucesso.

Mas Gigim, eu só evoco a energia, ela não vem não.

Teoricamente dessa forma teria-se menos chances de dar errado, você utilizaria a energia cedida por cada entidade para os devidos fins de proteção, porém se manipular corretamente a nossa própria energia já é um desafio imagina manipular de 2 entidades ao mesmo tempo!! Obviamente existem ocultistas que conseguem, mas haja treino.

O simbolismo

Cara o simbolismo, ahhh o simbolismo… Quem nunca né? Desenhou um círculo de proteção simplesmente porque achava bonito, acontece, já vi muito, mas e ai, isso funciona?

Obviamente o ideal é que você entenda o que diabos está desenhando mas quando isso não é possível o aconselhável é que você utilize outro círculo, porque simplesmente ignorar certos símbolos pode danificar totalmente a estrutura do mesmo, lembrando que os símbolos não tem somente que ficar iguais, eles tem que ser confeccionados da maneira correta, você devem lembrar dos pentagramas elementais, onde todos eram iguais porém desenhados de forma diferente, isso também ocorre com vários outros símbolos, principalmente em magia oriental.

A utilização do que se tem

Obviamente um ocultista chega a um ponto em que começa a criar suas próprias barreiras de proteção, e é quando todo o simbolismo já entendido e entidades que se tem afinco começarão a trabalhar juntas. Percebam que é um grande marco na vida do ocultista mas deve-se começar devagar e aumentar a complexidade gradativamente.

Como começo devagar?

Fazendo pequenas barreiras para a manutenção diária, círculos para dormir tranquilo, banhos para limpezas, banimentos para regular energia de locais, nada que possa ter um resultado muito catastrófico.

 

Bom, vou dar uma pausa por aqui antes que fique cansativo

Esse assunto volta com certeza numa futura postagem

Hasta.