Sabe aquele pressentimento de que algo vai acontecer, ou de que algo está errado e você não consegue explicar o que exatamente porque só sente? Isso se chama pressentir! Ao pé da letra mesmo, é sentir antes de acontecer. Não chega a ser caracterizado como previsão de futuro, porém provém do mesmo princípio de sensibilidade psíquica.

Dentre tantas qualidades inerentes à sensibilidade psíquica encontramos nomes dados às mesmas como clarividência, vidência, intuição, clariaudiência, mas premonição não, porque não é uma qualidade psíquica, e sim um sintoma de uma, pois é algo que se dá sem utilização de sentidos comuns como a visão, e sim dos sentidos da psique. É a psique que nos proporciona sensações advindas de outros planos além do espaço e tempo (plano físico).

A premonição, chamada também de intuição, é como um mecanismo de alerta quando estamos conectados com outro plano, mesmo que essa conexão se dê por um breve instante, mas sendo o suficiente para captamos sinais necessários no momento. Muitos dizem não ser possível controlar este sentido, porém existe como sim! Por ser algo sutil e ainda fora de domínio, denomino como sintoma de qualidade psíquica que, com dedicação, pode ser trabalhada e utilizada sob total controle.

Agora você deve estar se perguntando “mas como?” e já se imaginando vendo tudo o que quiser! Mas o caminho não é bem por aí. A curiosidade é um combustível poderoso, mas se utilizado para seguir uma direção guiado por um mapa mal feito, os resultados serão constrangedores. O primeiro passo é na verdade o único passo: autoconhecimento. Entender como você “funciona” é a base que você precisa antes de querer algo, pois só sabendo o que se é, é possível compreender como se desenvolver.

“Sô, então sou sensitivo e posso desenvolver qualidades psíquicas pontualmente?” Sim! Você é sensitivo e todas as outras pessoas também! O que difere é o autoconhecimento para assim direcionar melhor seus pensamentos e obter com mais clareza o entendimento dos “sinais” que sua psique captará (autocontrole advém do autoconhecimento).

Conhecendo a si mesmo e obtendo o autocontrole, consequentemente desenvolverá autoconfiança, e quando você receber tais “sinais” terá a capacidade de discernimento e conseguirá identificar o que são, de onde vieram e para o que servirão. Chegando a este ponto, você terá desenvolvido uma qualidade psíquica integral e poderá utilizar para o que quiser (cuidado com as pegadinhas do livre arbítrio, em!).

Na próxima vez que você tiver um pressentimento, lembre-se do que leu aqui e vá em frente, mas sem pressa para não pular fases de desenvolvimento como de defesa psíquica porque atrás não vem gente não, mas vem outras coisas e piores, tá bom?

Terapeuta Oracular Clarividente Soraya Maya