Eis um tema bastante abordado aqui com o meu grupo, a liberdade criativa do ocultista.Muitos consideram isso a maior de todas as heresias, obviamente eles são os tradicionalistas, em sua maioria velhos, cansados e cheios de dogmas nas costas… não condeno eles, afinal dar muita liberdade a alguém em qualquer meio é algo que pode ser perigoso ou desastroso.

Mas para que serve essa liberdade?

Esse ponto é importante principalmente nos dias de hoje, temos toneladas de grimórios e livros místicos ensinando uma infinidade de rituais e práticas porém eles são mais antigos que o arco da véia e graças aos nossos amigos tradicionalistas esse material nunca foi renovado ou adaptado à nossa atual realidade, o que pode sim torná-los obsoletos.

Reparem que não estou falando que todo material existente deveria ser atualizado, obviamente não, muita coisa não muda e isso deve ser respeitado, o céu sempre estará acima de nós assim como o chão está embaixo porém os pontos que são mórficos eu acredito que haja a necessidade e obrigação de atualização.

Mas como assim atualização?

Uma vez perguntei a um mestre ocultista se entidades poderiam aprender sobre nossos ritos de controle e tentar burlá-los, a resposta foi categórica “Você não é o mesmo ocultista de ontem, e as entidades de hoje também não serão as mesmas de ontem…”, naquele ponto eu já me questionava se tudo o que eu estudava era uma grande perda de tempo, afinal pela lógica entidades tão poderosas um dia conseguiriam superar os níveis de quem um dia as controlou.

Ocultismo e lógica?

Pois é, difícil que isso possa ser um dia comprovado, mas é onde os ocultistas experimentais se baseiam quando criam ou adaptam suas prática para os tempos atuais, usando um pouco de física, química, psicologia, e muitas “ciências ocultas”, eles conseguem gerar rituais que podem ser considerados funcionais e que pertencem à nossa época e não à poeira dos grimórios.

Sou tradicionalista e acho isso tudo bobagem.

Se você é tradicionalista e acredita que os ritos sempre serão os ritos, ok todos tem direito a ter opinião, mas por favor não comente esse tópico se você for um hater.

Gigim, posso criar meu rito?

Claro que pode, a liberdade criativa deveria ser incentivada (e também observada) por todos os ocultistas, afinal a magia é pra todos basta correr atrás, porém alguns pontos devem ser levados em consideração e eles são:

Você quer criar um ritual por que?

Se for apenas pra se sentir diferente ou especial, na real, se mata… Você só vai criar um ritual caso os ritos existentes não sejam possíveis de se executar ou se nenhum jamais deu certo com você, ou seja antes de cria rum rito leia e leia muito.

Você tem nível pra isso?

Não se pode criar um ritual do nada, trocentos aspectos são levados em consideração no processo, um rito simples pode acarretar conhecimentos em várias áreas científicas  filosóficas, obviamente além das ocultas e quanto mais você souber sobre todas elas maiores as chances de criar algo útil, caso contrário vá ler, e muito.

Você tem experiência?

Essa parte vai pesar no momento de testar o ritual, apenas alguém que já tenha realizado muitos rituais e práticas saberá distinguir qual deles teve mais eficácia, é quando entra a experiência adquirida ao passar dos anos, infelizmente ocultistas teóricos rodam nessa.

 

Vou novamente parando por aqui pra não ficar muito cansativo.

E você já criou algum rito? Conhece alguém que criou? Poste ai adoraríamos saber a sua opinião.