Hoje tava lendo uma postagem em alguma comunidade sobre magia e bati de frente com essa ideia de matéria, objetos mágicos.

Eu sei que já se falou muito sobre isso mas como percebo um público novo cada vez maior aqui no nosso portal vou abordar esse assunto de forma um pouco mais genérica e ver que bicho dá. (e também porque estou esperando a cerveja gelar)

O que seria um objeto mágico?

Um objeto mágico é simplesmente um objeto que “magicamente” faz algo além do que normalmente faria… Dãã. Parece bem óbvio se visto dessa forma, mas para quem já leu o meu outro post de “magia não existe” vai se identificar bem com essa visão.

Percebam que eu não citei que esse objeto mágico é necessariamente útil, na verdade a maioria dos objetos mágicos fáceis de se confeccionar são bem inúteis, servindo em sua maioria como experiências alquímicas mesmo. Então vou abordar nessa matéria algumas categorias de objetos mágicos, eles são: Objetos encantados, objetos amaldiçoados e catalisadores mágicos.

Objetos encantados

Esses são objetos que receberam encantamentos específicos vindos de alguma espécie de magista, ou seja, é um objeto que recebeu essa nova função “mágica” a partir de algum ritual feito com a intenção de torna-lo extraordinário. O encantamento é definido previamente e só então um objeto condizente com o encantamento é selecionado, ou seja, você não vai encantar um ovo choco pra que ele faça pessoas se apaixonar, normalmente o objeto será condizente com o significado do feitiço.

Exemplos de objetos encantados: acessórios de vestimenta de proteção, espelhos para divinação ou projeção, bebidas fluidificadas para curar ou prejudicar, apanhadores de sonhos etc…

Percebam que nem todo objeto encantado precisa ser benéfico, existem muitos objetos encantados que são “negativos” e mesmo assim não fazem parte da categoria a seguir.

Objetos amaldiçoados

Mais comuns que os encantados esses objetos são fruto de alguma coisa que ao nosso ver deu muito errado. Qualquer objeto pode ser amaldiçoado, independente do seu tamanho, cor, forma ou material, na verdade sabemos que até pessoas podem ser amaldiçoadas, mas esse não é o caso.

Objetos amaldiçoados normalmente são incontroláveis e trazem a ruína e desgraça de quem os possui, normalmente por ser fruto de algum tipo de exposição à energias negativas, esses objetos carregam as principais características do ato que os gerou. Temos casas impregnadas com a dor que um suicida sentia antes de morrer, escovas de cabelo cheias do ódio de quem a usava e não se sentia bonita, facas cheias de energia gerada pela dor do esfaqueado… praticamente todo objeto amaldiçoado tem uma história trágica por trás de sua origem.

Exemplos de objetos amaldiçoados: acessório da menina anoréxica que ao ser usado faz a pessoa morrer de fome, arma que dá vontade de matar todo mundo, cama que torna o homem em prostituto, copo que o força a beber até morrer, casa que expulsa seus moradores ou muda seus comportamentos.

A única solução para se livrar de um objeto amaldiçoado é destruindo-o, porém essa pode não ser uma tarefa muito fácil já que alguns deles rodam por ai à séculos, sendo que alguns já até foram destruídos e mesmo assim existem relatos de que simplesmente voltaram a existir como se nada tivesse acontecido. Em alguns casos réplicas são feitas sem motivo algum e trazem novamente a maldição para esse mundo.

Muitos colecionam esses objetos com o fim de tirá-los de circulação, e outros os colecionam para desafiar a sorte, tem louco pra tudo.

Objetos catalisadores

Esses são objetos do uso do magista, varinhas, cetros, livros, canetas, tintas, bebidas, anéis e etc.. Todo objeto usado em ritual por um ocultista pode ser considerado como um catalisador ou nivelador, e reparem que eu não cito apenas cerimônias, mas sim todo ou qualquer ritual por menor e simples que seja. O simples fato de jogar uma moeda para fazer uma pergunta de sim e não já pode transformá-la num catalisador.

Percebam que esses objetos são de uso de praticantes e sozinhos podem não ter utilidade alguma, por isso alguns nem os consideram como objetos mágicos, mas sim como ferramentas criadas com materiais que tem propriedades de interação com a  magia.