(PRÁTICA) Objetos encantados

Não julgue a matéria pelo título, nem todo encantamento é bom, logo vamos tratar aqui dos objetos “fadinha” e dos objetos “amaldiçoados”, ou seja vamos tentar ficar prontos para tudo que vier.

Objetos assim como tudo no universo são feitos de energia primordial, já falamos dela em outra matéria, a diferença entre eles e nós é que nós geramos energia e a exalamos, esses objetos na verdade são pedaços de do que algo já exalou energia, a lógica é bem simples, sua mão exala energia até que você a decepe, depois disso ela se torna um objeto e pára de exalar energia, podendo apenas absorvê-la, assim como os anteriores, tornando-se assim encantado.

Tipos de encantamento.

Existem 2 tipos básicos de encantamento, os expontâneos e os conscientes, ou seja, um objeto pode absorver energia de algo “sozinho” ou pode ter uma carga de energia embutida nele por meio de rituais, vamos falar melhor um pouco deles.

Encantamento espontâneo.

Esse tipo de encantamento é o que considero mais “divertido” pois vem sem aviso e ninguém sabe o poder exato que ele tem, no oriente tem-se a crença que objetos pessoas quando abandonados podem guardar a energia de seus antigos donos e existe inclusive a prática de se levar objetos pessoais aos monges para que eles se desfaçam deles adequadamente.

Mais divertido ainda é que esses objetos ao absorverem espontaneamente a energia de seus donos chegam a gerar uma consciência causando assim vários problemas, não sei vocês mas eu acho essa teoria hiper divertida, até porque um dos objetos mais comuns que se tornou uma entidade era um simples guarda-chuva e hoje persegue pessoas no japão (tente não rir)

Tu ta de sacanagem.

Não, podem procurar pelas lendas orientais e vão encontrar o famigerado guarda-chuva de um olho só e sapatilhas que assombra as pessoas.

Qual a probabilidade disso acontecer?

Hoje em dia é quase nula, os objetos estão ficando cada vez menos tempo com as pessoas, e isso impede que exista esse vínculo energético entre dono e objeto, uma das poucas vantagens que o consumismo trouxe.

 

Encantamentos intencionais.

Obviamente é desses que todos querem ouvir, ou seja, como criar nossos próprios objetos encantados. O processo é bem simples porém vai necessitar da capacidade do ocultista de canalizar vontade e energia e conseguir selá-la no obejto para que não se dissipe com o tempo.

Como canalizar energia?

Se você ainda não sabe seria melhor dar uma lida nas outras matérias do portal onde cito exaustivamente isso.

Como canalizo vontade?

Idem ao anterior, e procure também sobre criação de sigilo mágico.

Como selo o objeto então?

Agora sim uma pergunta que acho que não respondi ao longo dessas mais de 300 postagens… Inicialmente temos que explicar como funciona a mecânica de absorção de energia de um objeto, e reparem que tem muita física ai, ao mesmo tempo que às vezes a desafia.

Material

O material o qual o objeto é feito é essencial para se começar um projeto, a maioria dos ocultistas prefere encantar metais e minerais devido às suas ligações planetárias e qualidades condutivas, e esse até então é o correto, seria muito mais fácil impregnar de energia um objeto de ouro que um de latão e esse conseguiria manter a energia ligada a si por muito mais tempo, no caso de minerais vem toda uma questão de idade, forma como ele é formado e coloração, tudo isso tratarei um dia numa matéria sobre pedras.

Percebam que estamos falando de condutividade (no caso dos metais) as energias físicas mais levadas em consideração são a eletricidade e calor, ou seja, quase todo metal bom para se encantar é bom condutor de calor e/ou eletricidade.

Tratamento

Como se manuseia um objeto que se pretende encantar é a mesma ladainha de sempre que encontramos na criação de amuletos, e vai depender do fim o qual o objeto terá e de que tipo de energia mágica será aplicada nele, vamos aos exemplos.

Encantamento wicca elemental

Desde o começo dos tempos os magos canalizam energias naturais para seus amuletos, e sabemos mais ou menos como isso funciona, pega-se um material “absorvente” e banha-o com a representação do elemento (deixar o objeto sob água corrente e etc) e manipula-se a energia elemental que  possuímos  para o objeto, fazendo assim a ligação do objeto com o elemento.

Encantamento planetário/astral

Nesse caso utilizaremos as emanações dos astros e etc para banhar nosso objeto, deixá-lo ao sol, à lua ou apenas quando determinado planeta for visível no céu, procurar posições planetárias específicas e tentar canalizar a energia do astro para seu obejto são alguns dos meios de se conseguir a absorção energética.

Encantamento emocional

Esse é mais o lado “dark” do negócio, é quando você canaliza a energia de um sentimento para um objeto, perceba que por mais pura que seja sua intenção ela é anti-natural, sentimentos humanos não deveriam habitar objetos e como eu sempre cito, isso pode dar merda e dará.

Talvez eu me aprofunde mais nos métodos de cada uma dessas energizações, porém isso por si só já renderia uma matéria enorme então vou continuar o assunto.

O selamento.

Admitam, era isso que vocês queriam saber né. Pois bem, o selamento de energia num objeto… Ele não é obrigatório, percebam que existem objetos encantados que devem ser “recarregados” de tempos em tempos pois só o que fica neles é a intenção de quem os criou, mas a energia se esvai com o tempo, o recarregamento é feito da mesma forma que o foi na sua criação, seja elemental, planetária ou humana.

Mas e se quisermos trancar a energia nesse objeto?

Não vou mentir que não aconselho a ninguém tentar isso, energia não foi feita para ficar presa e sim em movimento, logo se você a prende em algo ela tem uma enorme chance de se deturpar e os resultados podem ser desastrosos.

Selamento por via de inscrição.

Não é de hoje que vemos várias culturas selando energias utilizando-se de símbolos, sejam runa, letras, ideogramas e etc, esse selamento é clássico e consiste na criação de uma espécie de “maldição” para essa energia onde sempre que ela tentar se dissipar (o que é o natural dela) será obrigada à voltar para sua “prisão”, ou seja o objeto.

Esse tipo de selamento normalmente é quebrado dando-se cabo de quem a gerou, ou seja apagando o magista você desencanta o objeto, porém temos alguns problemas, nem todo mundo desiste de algo só porque morreu e essa ligação pode continuar existindo.

Selamento por vampirismo

Não seria bem um selamento mas uma espécie de atalho para que o objeto se energize sozinho, na criação do mesmo além da intenção, da energia inicial, do material e do selamento mágico também se faz necessário criar uma maldição de vampirismo, alterando os pólos da energia inicial fazendo-a assim se comprimir ao invés de expandir, gerando assim a  absorção ao redor.

Reparem que determinadas energias geradas por emoções humanas já tem por si só essa qualidade, e criam objetos vampíricos automaticamente.

 

mais uma vez vou parando por aqui antes que a matéria fique cansativa.

Matérias mais votadas voltam mês que vem, então já sabem, votem.

hasta

 

Expresse sua reação
Like
Love
Haha
Wow
Sad
Angry

Latest articles

(PODCAST) Devorador de pecados, charlatão e monetização

Fala galera, nesse Ocultcast falamos sobre os devoradores de pecados e que fim eles tiveram, também levanto a questão dos filhos da puta na...

( INTRODUÇÃO) O Devorador de pecados

Eis um nome que chama mais atenção que seu significado. o Devorador de Pecados é uma tradição que não é mais praticada, provavelmente por...

(LIVRO ZERO +18) Capítulo 41 – O homem amarelo do morro.

Como esperado do Rio de Janeiro era um final de tarde quente, onde pessoas iam e vinham sem camisa e usando o mínimo de...

(PODCAST) Cabala, Qlipoth, Esporro e Fim do mundo

Fala galera, nesse podcast falamos sobre alguns assuntos que geraram polêmica lá no grupo do Whatsapp. Nesse modelos de Ocultcast eu trato de uns...
44,2k Seguidores
Seguir

Related articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Expresse sua reação
Like
Love
Haha
Wow
Sad
Angry