Não estou falando da banda, mas do sacerdote… Primeiro erro, um xamã não é um sacerdote, vamos explicar o por que.

Em várias culturas podemos encontrar a imagem do xamã, as mais conhecidas pelo público daqui provavelmente são das tradições nativo-americanas e japonesas, alguns tiveram acesso à elas pelo conhecidíssimo autor Carlos Castanneda e seus “guias” de como conseguir projeções astrais ritualísticas nos moldes dos índios norte-americanos (não lembro bem se é ali ou Canadá) e a outra face conhecida veio provavelmente de animes e filmes que imortalizam a imagem do xamã.

Let’s talk…

Vamos falar nesse post sobre o xamã, esse que deveras vezes é confundido com o sacerdote ou o exorcista, sendo que na verdade as funções de cada um são bem específicas e os diferem bastante.

O xamã

O xamã é responsável não só pela comunicação com os espíritos mas também por servir de receptáculo, temporário ou não para os mesmos. Os motivos que fazem um xamã aceitar essa condição podem ser os mais variados possíveis, seja para honrar a tradição de “carregar” aquele espírito na família ou seja para poder usar o corpo do xamã como purificador e então livrar o tal espírito do tormento.

As diferenças

Xamã normalmente tem sua vida traçada desde muito jovem pois carrega a responsabilidade de tratar com os espíritos relacionados com a sua família ou clã, além disso eles também são doutrinados a atiçar seus dons mediúnicos e psíquicos para que possam ter a máxima afinidade com todos os espíritos ao redor, não só para a comunicação mas também para a identificação. O equivalente dos xamã aqui no Brasil seriam as mães de santo que comandam terreiros e decidem quais são os espíritos que vão ou não permanecer naquele templo.

O sacerdote

Ao contrário dos sacerdotes que são responsáveis principalmente  por “tomar conta” do templo, culto e de manter os ensinamentos intactos com o passar dos anos, os xamãs não tem o costume de aparecer em público e tampouco de se tornarem figuras públicas. (na verdade nem os sacerdotes deveriam, mas fazer o que né…)

Não se sabe exatamente qual foi a origem do xamanismo, porém um aspecto interessante que podemos encontrar em praticamente todas as vertentes é a ligação íntima com os espíritos animais, no oriente não seria diferente, seja Japão ou China, a imagem do xamã ligada à animais é parte profunda da cultura.

Em breve um pouco mais sobre os ritos xamânicos, seus apanhadores de sonhos, projeções e comunicação com os espíritos.

🙂