O sigilo é exatamente a primeira coisa que lhe vem à mente quando você ouve a palavra, porém para a maioria dos ocultistas quando se fala em sigilo logo vem um monte de selos e símbolos esquisitos à cabeça… vamos entender o por que disso.

O sigilo

Percebam que o princípio do sigilo é basicamente aprender a guardar um segredo, por incrível que pareça para a maioria das pessoas, guardar alguma informação ou desejo pode ser uma enorme tortura, e provavelmente vocês devem conhecer alguém assim, não que isso seja um defeito, mas pode atrapalhar muito as suas práticas se você é um ocultista pois muitos rituais exigem o sigilo total sobre a intenção.

O clichê

Percebam que esse comportamento gera um dos maiores clichês que temos sobre magos poderosos, que é o fato de falarem pouco ou de forma enigmática e em alguns casos simplesmente fazer voto de silêncio, não que isso seja obrigatoriedade para todos os ocultistas, mas uma coisa é fato, quem pratica muitos rituais, principalmente de forma “profissional” (para outras pessoas), deve saber guardar muito bem os segredos, sejam eles seus sejam eles de outras pessoas, uma leve escorregada e você pode arruinar o trabalho de meses ou até anos simplesmente porque falou demais.

O lembrete

Agora que já sabemos que o segredo/sigilo é muito importante você deve estar se perguntando, não seria mais fácil você simplesmente esquecer daquilo depois de fazer o ritual? Muitos ocultistas fazem isso, principalmente depois de ter o efeito alcançado, mas a verdade é que durante o processo, ou seja, enquanto o objetivo não foi alcançado, o operador do rito tem que constantemente lembrar do segredo/sigilo, e por conta disso são criados os selos, que em alguns casos também recebem o nome de sigilo (sim, é meio confuso), que são representações físicas, ou gráficas que o fazem recordar do intento do ritual, porém sendo tão pessoais que somente o próprio operador do rito sabe o significado.

Não entendi, ta muito enrolado

Quando um ocultista executa um ritual principalmente para a realização de um desejo o mesmo independente do método deve guardar segredo do que foi pedido, pode-se falar do método, em alguns casos até da entidade que vai viabilizar o resultado, porém nunca pode-se falar do pedido, algo como “entrego o santo mas não entrego o milagre 😛 “, porém o operador tem que carregar consigo, ou guardar perto de si um artefato que o faça lembrar exatamente do que foi pedido e de alguns detalhes do ritual em si, então pra isso ele cria o que chamam de sigilo, que seria uma espécie de manifestação física ou não do trabalho que está sendo feito.

Como posso construir um sigilo

O sigilo pode, como citado anteriormente, ser físico ou não, algumas pessoas utilizam métodos criptográficos para escrever frases em papéis, alguns desenham símbolos pessoais que as lembram do ocorrido, algumas inventam palavras mágicas complexas que ao recitadas as farão retornar ao momento do ritual e outras simplesmente criam síbolos e guardam em sua memória, não preciso dizer que vai muito de cada um como será criado o seu sigilo, afinal não é todo mundo que vai conseguir lembrar de uma palavra mágica de cabeça ou de um símbolo o qual nunca foi desenhado, somente imaginado.

Como cuidar do sigilo

O sigilo ao contrário do que muitos pensam, não precisa ser sempre energizado, só pelo fato de você lembrar dele e se lembrar do ritual provavelmente a energia será enviada para o intento, afinal ao olhar praquilo você sabe o que está fazendo.

Sigilos não devem ser expostos, ao contrário de selos de entidades que às vezes exigem isso, um sigilo é algo que jamais deve ser decifrado por outrem, então sair mostrando ele por ai é nada mais nada menos que dar chance para que alguém o decifre, seja com mediunidade ou sagacidade.

Um sigilo não absorve energia de terceiros, então se por acaso alguém acidentalmente o segurá-lo ou vê-lo, não quer dizer que o ritual foi deturpado.

Conclusão

Bom, sigilos são parte da cultura ocultista e são utilizados desde sempre, espero que agora saibam a melhor forma de mantê-los para seus rituais de desejo.

Hasta