Cada ser pensante ou ativo guarda dentro de si uma essência que cabalisticamente podemos dizer é parte de um deus primordial, chamarei isso de essência primordial em cada ser, essa essência não pertence especificamente a algum plano ou existência, porém deve se habituar melhor a determinada vivência, algo como atingir o máximo de sua evolução no corpo que habita, logo podemos acreditar que determinadas essências podem gerar uma preferência a determinada existência, criando assim uma incompatibilidade com a existência atual.

Porém dentro de cada ser essa essência primordial se encontra “presa”, e tentando se habituar a atual existência, o intuito desse ritual é visualizar essa essência no seu amago enxergar além da atual existência, a fim de melhor adaptar a evolução espiritual da essência.

O que seria

Exemplifiquemos que nos elementos temos essências primordiais aprisionadas no corpo elemental, na chama teríamos uma essência habitando-a, a existência daquela essência em corpo provavelmente se extingue ao apagar da chama, o que nos levaria à questão de tempo relativo à vivência, porém isso será assunto de outra peça.

Como funciona

O que está sendo abordado é a questão de que naquela chama teríamos uma “alma”, ou seja uma essência habitando aquela combustão, uma existência primordial e até então sem muita função ou vontade, porém ainda existindo, o que nos leva à nossa própria existência, usando como base uma experiência de scrying utilizando uma chama como portal para a essência da mesma, tentamos utilizar o globo ocular como bola de cristal para o scrying da alma humana, porém é virtualmente impossível para um ser humano visualizar seu próprio globo ocular sem a utilização de algum aparato reflexivo, nesse caso o espelho (seja nego, de água ou óleo) é utilizado.

O rito:

No atual rito apenas o espelho e a vela são utilizados, porém sem muita significância em cada, o refinamento do ritual cita que a utilização da vela é desprezível, assim como qualquer outros símbolo, pois o que ocorre é o aglomera mento de essências, logo para a iluminação o ideal seria a utilização de uma luz indireta.

Os psicotrópicos:

A utilização de psicotrópicos não alucinógenos porém anestésicos seriam de certa forma ideais para o desligamento porém caso seja gerada a falta de concentração do ocultista esses devem ser descartados, o que mostra que a auto-observação do ocultista no rito é essencial, apenas ele saberá o que lhe ajudará e o que o impedirá de manter a concentração durante o scrying.