Muito se fala sobre fé hoje em dia, inclusive dos efeitos danosos que ela pode acarretar, com o tempo o conceito de fé foi confundido com adoração irracional e fanatismo. Essa era a vontade do Diabo em seu desafio à Deus, destruir a fé da humanidade, ao contrário do que a maioria esperava a fé não foi convertida em adoração ao Diabo mas sim deturpada, transformada em algo que transforma os humanos em verdadeiros servos de Egregoras e esquecendo da magnitude do Eu.


Uma visão menos religiosa disso tudo apresenta a alienação humana, onde a fuga da realidade é o principal foco alcançado, onde a fantasia mental é utilizada não para gerar certezas mas sim o conflito e mais dúvidas, o que normalmente termina na busca pelo apoio de egrégoras externas.

Mas o que seria então a Fé, a pura fé que o sagrado criador nos cedeu? Essa fé se confunde de forma saudável com a Esperança, o desejo de algo melhor, o desejo de paz que cada ser humano carrega a partir do momento que adentra a esse plano´, a única certeza que carregamos nessa vida não é a de que morreremos, mas sim de que teremos esperança em algo e a existência realmente termina quando deixamos de ter esperança, então podemos com razão atribuir a fé à esperança. Em tempos antigos o choro do recém nascido era sinal de sua tristeza ao ter sido fruto do pecado, na idade das trevas viver por si só já era uma agonia, um erro. Sabemos bem o resultado obtido com esse pensamento.

Hoje em dia com um mundo mais liberal ainda carregamos a certeza da morte como nosso único norte, essa herança é passada logo que temos conhecimento do que chamam de Morte, e com isso matamos um pouco o nosso poder de ter Fé, essa por sua vez tenta ser reavivada por pregadores em cultos religiosos que transformam a relação Fé X Morte como uma batalha que enfrentaremos a cada dia, e eles por sua vez podem lhe guiar ao caminho da vida eterna, claro, por um bom preço a se pagar.