Celebrações de fim de ano de outras culturas

Olá pessoas, as festas de final de ano estão batendo na porta e sempre fico um pouco ansiosa. É impossível fugir do Natal mesmo não sendo cristã e o melhor que faço é tentar encontrar minhas próprias referências e celebrar.

Yule- Raízes pagãs no Natal cristão.

A celebração pagã do Solstício de Inverno, também conhecida como Yule, é uma das celebrações de inverno mais antigas do mundo e tem sido celebrada pelos humanos ao longo dos tempos.

Os povos antigos eram caçadores e passavam a maior parte do tempo ao ar livre. As estações e o clima desempenhavam um papel muito importante em suas vidas. Por causa disso, muitos povos antigos tinham uma grande reverência e até adoravam o sol.

Origens europeias do Yule

No hemisfério norte, o Solstício de Inverno é celebrado há milênios. Os nórdicos, que a chamavam de Jul, viam-no como uma época de muita festa e celebrações. Além disso, nas sagas islandesas também foi uma época de sacrifício. Costumes tradicionais como o tronco de Yule, a árvore decorada podem ser rastreados até as origens nórdicas.

Os celtas das ilhas britânicas também celebravam o meio do inverno. Embora pouco se saiba hoje sobre os detalhes do que eles fizeram, muitas tradições persistem. De acordo com os escritos de Plínio, o Velho, esta é a época do ano em que os sacerdotes druidas sacrificavam um touro branco e juntavam visco para celebrar.

Saturnália Romana

Poucas culturas sabiam festejar como os romanos. A Saturnália, que caia em 17 de dezembro, era um festival de folia e deboche geral realizado na época do solstício de inverno. Esta festa de uma semana era realizada em homenagem ao deus Saturno e envolvia sacrifícios, entrega de presentes, privilégios especiais para escravos e muitos banquetes. Embora este feriado fosse em parte para dar presentes, mais importante, era para homenagear um deus da agricultura.

Um presente típico da Saturnália pode ser algo como uma prancheta ou ferramenta, xícaras e colheres, roupas ou comida. Os cidadãos enfeitaram seus corredores com vegetação e até mesmo penduraram pequenos enfeites em arbustos e árvores. Bandas de foliões nus frequentemente perambulavam pelas ruas, cantando e festejando – uma espécie de precursor perverso da tradição das canções natalinas de hoje.

Saudando o Sol através dos Séculos

Quatro mil anos atrás, os antigos egípcios se deram ao trabalho de celebrar o renascimento diário de Rá, o deus do sol. À medida que sua cultura floresceu e se espalhou pela Mesopotâmia, outras civilizações decidiram entrar na ação de boas-vindas ao sol. Eles descobriram que as coisas iam muito bem … até que o tempo esfriou e as safras começaram a morrer. A cada ano, acontecia esse ciclo de nascimento, morte e renascimento, e eles começavam a perceber que, a cada ano, após um período de frio e escuridão, o Sol realmente voltava.

Os festivais de inverno também eram comuns na Grécia e em Roma, bem como nas ilhas britânicas. Quando uma nova religião chamada Cristianismo apareceu, a nova hierarquia teve problemas para converter os pagãos e, como tal, as pessoas não queriam desistir de seus antigos feriados. As igrejas cristãs foram construídas em antigos locais de adoração pagãos e os símbolos pagãos foram incorporados ao simbolismo do cristianismo. Dentro de alguns séculos, os cristãos fizeram com que todos adorassem um novo feriado celebrado em 25 de dezembro, embora os estudiosos acreditem que é mais provável que Jesus tenha nascido por volta de abril do que no inverno.

continua na parte 2


O DEBATE CONTINUA NO GRUPO DO WHATSAPP E NO DISCORD

GOSTOU DESSE CONTEÚDO? QUER VER MAIS SOBRE ISSO OU SOBRE UM ASSUNTO DE SUA ESCOLHA? SEJA UM APOIADOR DO PORTAL E VEJA AS VANTAGENS, CLIQUE NO LINK PARA SABER MAIS

VOCÊ TAMBÉM PODE APLAUDIR ESSA MATÉRIA FAZENDO UM PIX PARA: IMPERIUMFORTUNA@GMAIL.COM

O que achou da postagem?
+1
1
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *