Muita gente me pergunta se beber durante rituais atrapalha ou ajuda na execução, a resposta mais correta seria : Depende.

O que a bebida faz?

O efeito que o álcool gera no nosso corpo é bem conhecido por todo mundo que já passou dos 18, temos a perda de inibição, o aumento da temperatura, aceleração de batimento cardíaco dentre outras coisas que vão depender da quantidade ingerida e do metabolismo de cada indivíduo, ou seja, nenhuma quantidade citada em rituais ou em pseudo-dicas vai poder ser aplicada a todo mundo, lembrando que ainda temos os riscos com a saúde em casos de alergias, deficiências fisiológicas e etc, ou seja essa matéria só se aplica a maiores de idade e responsáveis sobre sua condição física.

O uso ritualístico

Bebidas sempre apareceram nas mais diversas religiões e cultos, temos vinho nas igrejas, cachaça nos terreiros hidromel nos templos nórdicos… a bebida sempre esteve presente independente da época ou da linha mágica aplicada, ou seja, não podemos considerar a bebida como algo bom ou ruim, mas apenas uma peça que se encaixa principalmente pela herança cultural de cada região.

Tem bebida, tem festa

A bebida alcoólica remete a festas, é muito difícil você encontrar algum tipo de celebração que não tenha bebida, então temos a questão: A bebida alcoólica é ingerida em festas por causa das celebrações religiosas ou a bebida alcoólica é ingerida em celebrações religiosas por causa das festas?

Talvez nunca saibamos a resposta, mas o que sabemos é que bebidas nem sempre foram itens populares ou de fácil acesso, durante muito tempo somente os reis e imperadores podiam ter acesso à essa maravilha, e podemos ver que eles gostavam de ostentar as taças e garrafas como símbolo de status e poder. Mas sempre existindo dificuldades em se destilar ou fermentar o líquido precioso os “plebeus” sempre davam um jeito de criar suas próprias bebidas, não com o intuito de degustação saborosa ou ostentação, mas simplesmente para poder provar as sensações que seus governantes experimentavam com tanta frequência. Era uma das poucas coisas que qualquer homem poderia tocar, sendo ele pobre ou rico… Todos ficavam bêbados igual.

O bêbado

Se tem uma coisa que todos sabemos é que a minoria das pessoas que bebe estão nessa pela degustação, a maioria está no jogo pelos efeitos que a bebida irá causar, esses que já citei no começo da matéria, e os motivos para isso podem variar em extremos, seja por causa de muita felicidade ou de muita tristeza.

Papus dizia que a bebida era o maior mal para o que ele chamava de “homem impulsivo”, que seria a classe mais baixa da intelectualidade do homem em si, porque somente sob o efeito da bebida ele conseguiria tocar o “homem sentimental” porém se afastaria e muito do “homem intelectual”, ou seja o cara quando bebe se torna mais emotivo e menos inteligente.

Por conta disso percebemos que por mais que você possa beber durante um ritual você jamais poderá ficar bêbado, pois nesse estado você altera sua classe de “homem” se tornando um babaca.

Estado alterado de consciência

Muitas pessoas dizem que bebidas alcoólicas podem ajudar o ocultista a atingir estados alterados de consciência, o que pode ser uma verdade porém a forma como essa bebida será ingerida passa bem longe do que normalmente encontramos em festas e farras.

Temos rituais xamânicos onde os participantes bebem, fumam e dançam até a exaustão e quando finalmente “apagam” são tomados pelo seu guia espiritual.

Temos monges que bebem uma mistura de ervas, leite e vinhos enquanto meditam e assim atingem estados alterados.

Mas no que isso difere da cervejinha que você toma no samba enquanto dança freneticamente, ou da vodca que você ingere numa boate enquanto curte música eletrônica? A resposta é bem simples: O FOCO

Foco

Uma coisa é você encher a cara e decidir fazer um ritual, outra coisa é você decidir fazer um ritual e então encher a cara, pode não parecer mas manter o foco enquanto alcoolizado é muito mais difícil do que parece e por conta disso é que evita-se fazer ou pensar em outras coisas que não seja o ritual enquanto se prepara.

Porém sabemos que um bêbado obstinado é muito mais perigoso que uma arma carregada, quem nunca viu um amigo doidão sair de casa às 3 da manhã pegar um táxi e ir na chuva gritar que ainda ama a ex? Imagina se toda essa obstinação fosse focada num intuito ritualístico? Pois é, não é só para atingir níveis astrais que se ingere álcool mas também para focalizar alguém que não consegue ter muita obstinação em algo.

Porém é muito mais difícil se focar em algo quando se está sob efeito de álcool, o que gera a dualidade na hora de escolher utilizar ou não esse acessório, pois por um lado você se tornará muito mais focado porém atingir esse foco será muito mais difícil.

Vou parar por aqui, encontro vocês na parte 2

Hasta