Ao observar a rotação das estrelas e contemplar o firmamento distante, é fácil entender por que os seres humanos buscaram sentido no céu desde os tempos pré-históricos. A prática da astrologia surgiu na Mesopotâmia no início do segundo milênio a.C, mas logo depois foi praticada na China, no Egito e na Índia, e depois na Grécia, o Roma e o Oriente Médio.

A astrologia, de forma simples, é adivinhar o futuro dos movimentos celestiais. Este assunto considera que todos os corpos celestes, incluindo a Terra, estão inter-relacionados e influenciam-se mutuamente.

A forma mais comum dessa disciplina é a astrologia dos sinais solares, que estuda por qual das ditas constelações Touro, Gêmeos, Câncer, etc. – o Sol em um momento dado. Juntos, eles constituem o zodíaco. Outros elementos importantes na astrologia são os planetas. No sistema clássico existem sete planetas: o Sol, a Lua, Mercúrio, Venus, Marte, Jupiter e Saturno.

 

Na teoria do microcosmo / macrocosmos, existe um vínculo natural entre o indivíduo e o universo. As tabelas natal foram comparadas com a posição atual do zodíaco, e acredita-se que os planetas estavam relacionados aos quatro humores (sangue, bílis amarelo, bile negra e fleuma)

Para muitos magos, a compreensão dos mecanismos dos corpos celestes era um requisito para interagir com eles. De acordo com o estudioso “Agrippa”, ele escreve em De Occulta Philosophia (1533):

“A magia está tão ligada […] com a astrologia que qualquer pessoa que profere magia sem astrologia não conseguirá nada”.

Numerosos magos e cientistas primitivos também eram astrólogos e realizavam horóscopos para os ricos e poderosos. Normalmente, para obter um horóscopo, você começa desenhando um gráfico astral em que as posições relativas do Sol, dos planetas e do zodíaco são plotadas em determinado momento, com base nessa informação, o astrólogo pode fazer previsões sobre o futuro de uma pessoa. Na antiguidade greco-romana, os astrólogos eram conhecidos pelo nome de “Caldeus” por uma região da Mesopotâmia, Caldéia (famosa por seus astrólogos e astrônomos). Também há provas da prática da astrologia no Egito em um estágio inicial e Os textos atribuídos a Hermes Trismegisto mostram uma forte influência astrológica. No final do Império Romano, os astrólogos eram de maior importância e, no século V, as práticas astrológicas tinham muitos pontos em comum com o astrológico atual.

~ Níssia Cristina*